Publicado em Crônicas, Literatura

Os conselhos de meu avô

Meu velho avô sempre me dizia que… Eu tenho essa mania. Essa mania meio boba de citar meu velho avô sempre que vou dar algum conselho sábio a alguém. A verdade é que meu avô nunca me disse nenhum destes conselhos que repasso. São conselhos meus mesmo, cheios da sabedoria de quem ainda não viveu muito do que tem para viver.

Mas de certa forma, os conselhos ficam muito mais bonitos quando repassados pelo meu velho avô. Sem contar na credibilidade. É muito mais fácil algum de meus amigos seguir um conselho que foi passado de geração em geração e condiz com o que ele está sentindo no momento, como que por milagre ou coincidência do destino, do que acreditar num conselho dado por mim. Inventado na hora, de supetão e sem bases de apoio além das morais, lógicas e sentimentais de um garoto de seus vinte e poucos anos.

Mas a verdade é que meu avô nunca me deu tais conselhos. Ele poderia ter me dado conselhos sobre como eu deveria me manter longe das drogas, tanto as legais quanto as ilegais, pois elas, mais cedo ou mais tarde, viriam cobrar seu preço. Poderia ter me dado conselhos sobre a importância do exercício físico, sobre como é bom estar em contato direto com a terra, pois ela purifica teus pensamentos, como um homem sempre deve estar preparado para ultrapassar um obstáculo, seja ele qual for. Poderia me dizer sobre como o homem deve imitar os animais selvagens, que temos muito a aprender sobre a vida com eles, ou sobre como o humor é necessário para que não acabemos todos loucos.

Mas nunca me disse nada disso. Lembro claramente dos únicos conselhos que meu velho avô verdadeiramente me ensinou. Foram dois:

Filho (nunca entendi , quando criança, porque ele me chamava de filho, se na verdade eu era seu neto), nunca se esqueça de duas coisas. Barbeador descartável não presta, e nunca compre nada que venha num pote de plástico azul. Simples assim. Toda sua enorme sabedoria resumida em dois conselhos sobre como fazer a barba. Justo para mim, que não faço a barba.

Ele disse isso quando segurava em suas mãos um barbeador descartável de meu pai. Logo ali na prateleira, os itens que ele carregava consigo nas viagens, para cuidar da aparência. Meu avô apontou o frasco de pós barba, em plástico azul. Ele falava com leveza, aconselhava com sabedoria. O barbeador descartável, por ser feito para logo ser jogado fora, não tinha a mesma qualidade dos outros. Você ia acabar se cortando ou tendo uma barba mal feita. Nunca iria conseguir um deslizar suave pela pele com um aparelho que já foi concebido com o intuito de virar lixo logo depois. E os potes azuis eram de uma obviedade que só fui perceber com o passar dos anos. Ninguém coloca um perfume caríssimo nos potes de plástico azul. Estas embalagens escondem, exclusivamente, produtos de qualidade duvidosa. Se você quer algo realmente bom para acalmar os poros de sua pele após fazer a barba, fique longe destas embalagens.

Meu avô poderia ter me ensinado sobre a vida, sobre amores, sobre família, sobre respeito, sobre esforço, sobre hobbys, sobre alegria, sobre saudades, sobre coragem, sobre o existir. De certa forma, ele o fez. Mas conselhos, ele só me deu dois.

Mas como dizia meu velho avô…  conselho nada mais é do que uma verdade inventada, que usamos apenas para parecermos mais sábios.

Anúncios

Autor:

Fábio Ricardo é jornalista blumenauense apaixonado pelo mundo digital, por inovação e por histórias pra contar. Acha que a vida é melhor cercada de gatos, em cima de uma Harley, com uma caneta na mão e uma cerveja em cima da mesa.

2 comentários em “Os conselhos de meu avô

  1. hahaha esse texto foi muito mais muito inspirado no JOrnal do Meio Dia do Alexandre cara de passarinho nao foi?

    nada contra, mas podia ser mais original do que absorver a inspiração do jornal (un) (san)guento.

  2. Essas histórias de avôs só me lembram Big Fish. O meu também nunca me disse conselhos para-vida-toda, só gosta de contar historias antigas, e uma misturada na outra uaheuasehe

    ;*

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s