Publicado em Aquarismo

Aquarismo – o início

Meu betta e seu musgo de java (foto: Fábio Ricardo)

Dos diversos hobbys que me proponho a cultivar, esse blog aborda principalmente dois: literatura e ser do contra (sim, reclamar também é um hobby!). Agora quero ver se me exercito ao escrever sobre um terceiro hobby que tenho, e que venho levando cada vez mais a sério, e com mais gosto: o aquarismo.

Comecei a me interessar por esse mundo cheio de água em 2007 ou 2008, quando minha irmã ganhou uma tartaruga de presente. Ela era minúscula, cerca de 8 cm apenas, e viva num minúsculo aqua-terrário que cheio continha apenas 6 litros. Cheio até a metade, mantido como aqua-terrário mesmo, não ultrapassava os 2 litros de água.

Cascuda, a tartaruga (foto: Fábio Ricardo)

Não preciso nem dizer que ela cresceu demais e mal conseguia se mover dentro do aquário. Por isso, foi comprado para ela um aquário de 52 litros, uma mansão, à época. Não demorou muito para a tartaruga (Cascuda era o nome dela) ultrapassar os 15 cm.

Como todo aquarista iniciante, cometemos vários erros com a Cascuda, o que culminou com sua morte. Relembrando os fatores, acredito que a causa tenha sido amônia, a causa mais comum de mortes de aquaristas inexperientes.

Ainda com a Cascuda em casa, senti vontade de aproveitar o pequeno aquário para algo. Fui a uma lojinha e comprei 6 paulistinhas. Eram uma beleza, não paravam quietos por um segundo sequer. Um deles pulou para fora do aquário e morreu. Os outros cinco morreram logo após uma troca de água na conturbada época de novembro de 2008, quando os desastres de Blumenau fizeram com que a Prefeitura aumentasse consideravelmente a dosagem de cloro na água da rede de abastecimento.

Acostumado a sempre tratar o aquário com a mesma quantidade de anti-cloro, sem medir a dosagem todas as vezes que trocava de água, perdi todos os peixes de uma vez só. A quantidade usual de anti-cloro não deu conta do recado e os peixes morreram por envenenamento.

Caranguejo macho (foto: Fábio Ricardo)

Depois desse período já tive caranguejos (que chegaram a procriar no aquário de 6 litros), lagostas, ampulárias (mais conhecidas como caramujos) e diversas espécies diferentes de peixes.

Atualmente mantenho uma aquário comunitário de 52 litros (aquele que era da tartaruga) com peixes de água neutra a alcalina, e o mini-aquário virou uma betteira, onde mantenho um Betta macho.

Mas isso já é assunto para outro dia.

Anúncios

Autor:

Fábio Ricardo é jornalista blumenauense apaixonado pelo mundo digital, por inovação e por histórias pra contar. Acha que a vida é melhor cercada de gatos, em cima de uma Harley, com uma caneta na mão e uma cerveja em cima da mesa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s